terça-feira, 14 de novembro de 2017

Vai-te encher de moscas

Já falei sobre isto anteriormente.
Resultado de imagem para vai-te encher de moscasVoltar ao assunto significa duas coisas: primeiro, que a luta continua; segundo, que a minha vida é tão desinteressante que não arranjo tópico menos prosaico sobre o qual me debruçar.
Enfim, MOSCAS.
Começo a perceber por que razão "Vai-te encher de moscas" é uma praga da pior estirpe. 
Haverá ruído mais irritante do que o zunir das moscas?
Elas a voar aos pares, em grupos, em bandos?
A gente a mirar e a acertar pontaria para uma singela mosquita poisada num espelho e assim que disfere o golpe e ela tomba, saem de lá mais duas, solidárias, evidentes, arrogantemente presentes... argh!
Eu acho que elas já me conhecem e passaram a palavra e foram buscar reforços a todas as vacarias da vizinhança e arredores. De certeza. Correu o boato. É uma conspiração de asas zumbidoras.
Eu, concentrada, de olhos esbugalhados e mata-moscas na mão, prestes a eliminar a próxima vítima e dou de caras com a surpresa da vizinha, amedrontada a tentar perceber o motivo do meu ar ameaçador. Figuras ridículas que um gajo faz por causa das manchas negras voadoras!
Argh!
A esfregar as patinhas...
Argh!
A deslizar
nas mesas,
nos balcões,
nos candeeiros,
nos vidros,
em todo o lado...
Socorro!
Nunca como agora,
eu,
à espera que a mosca pouse...
tensa, braço em riste, sentidos alerta, coração aos pulos, dentes cerrados, concentração ao máximo, olho fixo...
deve ser assim a caça;
mas esta é inglória:
mato uma, vêm mil ao funeral!
Ah, ignomínia!
Ah, infâmia!
Ah, desplante!
Ah, audácia vil!

E se "não é com vinagre que se caçam moscas",
então com que raio é?
Alvíssaras a quem encontrar a resposta!

domingo, 5 de novembro de 2017

Ó Dóóóóóna!


Resultado de imagem para plumber whistling clipart No outro dia chamei cá o senhor para compor o autoclismo que pingava.

(Eu tenho para comigo que os canalizadores são homens muito felizes. Só podem ser. Conhecem algum que não assobie enquanto trabalha? Quantos de nós se sentem tão à vontade no exercício da sua função profissional que possamos dizer ter desejo de cantarolar ou assobiar?

Felizes e bem sucedidos. Por que não?
Bem aventurados os homens ou as mulheres que sabem cuidar das canalizações.
Ajudam a resolver a vida das pessoas, não têm mãos a medir, pelo que devem facturar bem e a gosto, gerem os seus horários a seu bel prazer. Invejo-os. 
Para além do mais, admiro-os. São daquelas pessoas. As máquinas falam com elas, olham para um dispositivo e percebem logo a engrenagem, a mecânica da coisa, detectam o erro, sabem compor. Eu considero isso extraordinário, especialmente porque a mim, a única coisa que as máquinas me dizem é que já fiz m***a outra vez e tenho de desembolsar de novo. É - literalmente- o preço a pagar por ser aleijadinha das mãos e surdinha dos ouvidos para escutar os desalinhos de motores, canos, torneiras, porcas e parafusos.

Mas, enfim. Adiante.)

O guru da entorneira lá veio escutar a gota que me assola as noites a pingar na sanita. 
(Cá em casa chamamos entorneira às torneiras. Foi a Maria que apelidou em pequena e, a meu ver, muito bem pois é o que faz - ENTORNA)

Deixei-o lá a trabalhar e desci para as minhas lides (roupas, molas, estendais e afins). 
O homem bulia lá na casa de banho há um bom quarto de hora sozinho, quando me pus a imaginar.
(eh pá, não! Não se prestava a esse  tipo de fantasias!)
A gente não percebe nada da poda. Eles levam-nos como o diabo esfrega um olho, se assim o entenderem. Na volta aquilo era super simples, já está mais que pronto e está o homem a engonhar, só para cobrar honorários que se vejam. 

(Há que desculpar-se o meu mau juízo, mas aqui entre nós que ninguém nos ouve, já alguma vez contrataram uma reparação destas e o conserto levou apenas cinco minutos? NÃO!A coisa prolonga-se...tem que dar tempo para assobiar pelo menos um cd completo do Tony Carreira, alto e bem orquestrado como se a nossa casa de banho fosse o Olimpiá de Paris!!!!)

Então, dizia eu, pus-me a fazer o filme: a esta hora já o tóclismo está mais que pronto e está o homem, sentado na tijoleira branquinha, a dar uns toques com a chave de fendas na parede, a pousá-la no chão para que eu oiça que estão a decorrer os trabalhos...

Ocorre-me que lá esteja bem sentadinho, quiçá a fumar um cigarro ou a mesmo a comer uma sandocha com bifana e a emborcar uma bejeca, enquanto, volta e meia, bate com as ferramentas no chão ou interrompe o assobio para suspirar muito alto ou fazer um gemido de quem está a aparafusar com força, só para fazer parecer que aquilo está a ser custoso e árduo... sabendo a gente que só vai ser penoso mas é para mim, que vou pagar!

Rio-me de imaginar que o homem pudesse mesmo estar a fazer a fita das ferramentas no soalho e apetece-me ir lá acima, surpreendê-lo a meio do panado de porco. Não tenho tempo. Ele clama:

"Ó dooooona!"
"Está prontinho!"

Olarila!
Já não me safo de:
ser chamada por dona, como as cotas;
ter que limpar as patinhadelas que deixou na casa de banho onde efectivamente esteve a trabalhar
e, claro,
de liquidar a factura das válvulas, bóias, ligações e serviço.
É limpinho!

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Saga Vida Nova - "tou c'a mosca"

Imagem relacionadaPara quem não sabe a nossa vida agora não é unicamente perfumada de maresia.
É que nós não mudámos apenas para a beira-mar. 
Nós mudámos para o CAMPO!!!!
Vivemos numa aldeia, onde,
consoante os ventos,
por vezes,
cheira a vacas
ou a estrume
ou a milho ceifado.

Ora: campo - moscas!!!!!!
MOS - CAS!!!
Pegajosas,
zumbidoras,
omnipresentes,
o raio que as parta!

Desde o primeiro dia declarei guerra doméstica e decidi exterminá-las cá de casa.
Tentei de tudo.
Fechar portas e janelas (mas por onde raio é que elas se infiltram????)
Espalhar sal grosso.
Enfiar Ezalos e DumDums em tudo o que é tomada.
Spraizar os compartimentos todos até ao limiar da asfixia...

Nada.

O máximo que consegui foi que andassem por ali meias grogues; finalmente percebi a expressão mosca morta, elas muito lentas, muito arrastosas, a irritar-me ainda mais com a molenguice e a desejar que estivessem literalmente mortas!

Estive prestes a comprar daquelas fitas deprimentes que se penduram no tecto para que elas fiquem agarradas, mas temi pelo meu Pedro...era capaz de ficar lá ele enrolado... melhor não!
Ainda dei com umas raquetes na dispensa que, suponho, as eletrocutariam  e - suponho também - os meus filhos iam adorar andar à raquetada cá por casa; mas as ditas precisavam de um adaptador de tomadas (coisa que, entretanto, ainda não comprei). Portanto, o squash de moscas terá de aguardar.

Então falaram-me na panaceia miraculosa para os meus males, um tal de Biokill infalível, que funcionaria como barreira invisível para impedir a sua entrada indesejada.

Acabo de infestar a casa toda com o spray da minha última esperança, entro na cozinha  e ali as vejo, grudadas nos meus vidrinhos acabados de limpar. Roguei pragas ao biotanga e desatei em investidas veementes de fúria homicida...

Ah! Não há como uma valente chicotada com o mata-moscas.
E quantas inflijo!
Tornei-me uma assassina nata (marta!).
Então quando se põem a esfregar as patinhas mesmo debaixo do meu nariz ou a chiscar nos candeeiros... levam logo uma palmatória que até deixa sangue, algo que se tornou, de alguma forma, perversamente satisfatório para a minha alminha enraivecida! Particularmente prazenteiro é também dizimar uma cópula, os parezinhos de asco que pousam em êxtase na bancada da cozinha e, enfim, assim morrem, com prazer duplo - o meu que interrompe o delas!

Portanto, está aberta a época de caça cá em casa. (Ou o tempo arrefece ou será o ano todo!)
Entretanto, e em bom abono do Biokill, a varejice melhorou. Aparentemente aquilo leva umas horas a produzir efeito e, de facto, se as não elimina por completo, reduz a afluência em grande medida. E ainda bem! É que eu já estava tendo uma luxação no ombro direito de tanto raquetar!

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Saga Vida Nova - Gaivotas

Resultado de imagem para gaivotasUm dos aspectos que agora faz parte do meu quotidiano são as gaivotas.

Vão dizer-me que elas são reservatório de bactérias multiresistentes, que se reproduzem vorazmente e, portanto são uma praga nas cidades costeiras, que ameaçam a higiene pública e que, em época de nidificação se tornam até agressivas... 

Mas o meu espírito romântico aprecia vê-las por aqui e acolá, a rasgar os céus, livres, felizes, ariscas. Destemidas, pata ante pata, no meio das gentes. Lindas na marginal de Esposende, empoleiradas no paredão ou a deambular pela relva ou a planar ao pôr-do-sol ou a manchar o céu em bandos matinais. Ou preguiçosas nos bancos do rio, debaixo da ponte de Fão. Ou na cidade, na Póvoa, a gritar como as poveiras, em disputa com elas.  Gosto.

Hoje mesmo fui almoçar de marmita para a praia. De súbito, fiquei rodeada de aves destemidas, gordas como perus, não para me fazer companhia, mas à espera que as alimentasse do meu manjar. Ri-me da astúcia. Atirei um pedaço de chouriço da feijoada. Desgrenharam-se para o apanhar. Ri-me sozinha, debaixo do sol. Disse de mim para mim própria que também haviam de provar a cenoura e os bróculos estufados... come-os tu! Está visto que não são vegetarianas, manda mas é para cá um naco de bife. Assim fiz. Ri-me, que o deglutiram num ápice, com a cenourinha a continuar reluzente e displicente na areia. Safadas.

As gaivotas da Póvoa já não pescam no mar. 
Pescam em terra. 
(São finas. é mais rentável, menos trabalhoso e mais saboroso.)
Vejo-as nos recreios, depois dos intervalos, assim que dá o toque de entrada, a bicar os restos que os miúdos perderam, entre uma futebolada e a troca de cromos. Grasnam e patinam pelo recinto fora, majestosas, no seu reino, ali é a sua praia, a dos lanches gulosos preparados pelas mãezinhas na noite anterior. Não pescam sardinha. Pescam modernidade. Pães com Nutela e bolachas Oreo.  Gordas, ociosas, obesas, filhas do consumo... Juro que no outro dia uma levava um pacote de leite chocolatado no bico...

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Vida nova

Sei que estão cheios de curiosidade sobre a minha "vida nova".
Antes que me comecem a invejar os pores-do-sol deslumbrantes, a casa espaçosa e as vivências litorais, invejem-me também as angústias e as ansiedades, as noites sem dormir na expectativa de que os miúdos se adaptem a escolas novas e amigos novos, a dificuldade em alinhar rotinas e a flexibilidade mental que criá-las requer. 
Invejem-me antes a força mental que é necessária para implementar uma mudança desta dimensão, a coragem que é preciso para dar o salto, a pontinha de desespero que é necessária para saltar e o jogo de cintura para planar após o salto, sem olhar para trás. Ao sabor do vento. De asas bem abertas e olhar no futuro.
É verdade que a brisa marítima empurra a saudade, que as rotinas escolares e profissionais tomam conta da espuma dos dias, mas saibam que comparamos, sentimos faltas, sentimos saudades.

Vou tentar pôr a escrita em dia e revelar-vos, pouco a pouco, todo o novo que agora vivenciamos. 
Não ainda - por hoje apenas esta nota de saudade.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Putaquipariu Jonny


     

















     Há umas semanas que não escrevo e, hoje, tu atiras-me para o papel. Revoltada comigo própria porque o que te vou dizer aqui e agora já devia ter sido dito, em vida, e não agora que cá não estás para gargalhar e lacrimejar com o texto em tua honra. Mas, enfim, somos egoístas e escrever afaga-me a alma e apetece-me falar-te e já não é possível. (não acredito que já não é possível)

      Em tua memória abrimos uma garrafa de vinho tinto. Eu e o Reno. Ao almoço. Não é que a gente precisasse de desculpa, mas era o que faríamos se nos tivesses vindo visitar e hoje a presença da tua ausência brusca e dura encheu de silêncio a nossa refeição, a nossa voz, os nossos corações. 

Gostávamos de ti, Jonny. Dizíamos-to muitas vezes, com as letras todas e tu respondias de volta, "gosto muito de você, viu? te cuida, garota! E dá um abraço no maridão que eu também gosto muito dele"
 porque eras um homem de afectos 
e depois desconversavas e dizias 
"chega de lamechice, tamos ficando velhos cÁralho!"

     Eu e tu era uma borga. Piadas inapropriadas, brindadas com olhares de soslaio, reprovadores e certeiros, e nós na nossa loucura de outsiders, um pouco de forasteiros excêntricos e desabridos, a gargalhar até às lágrimas, até à urina, indiferentes à imagem social. Saudade, Jonny. 

     Tu, que amavas a minha família, 
pegavas no meu Pedro ao colo para o deixar na Cáritas, a caminho de Vinhais; 
que trocavas dicas de gastronomia com o Reno, de bom cozinheiro para bom cozinheiro; 
que lias e curtias todos os meus textos, mesmo os mais longos e secantes; 
que rezaste pelo meu marido no período crítico; (ou macumbaste ou chamaste os teus anjos, pés de santo; arixás; fontes de luz fosse o que fosse da tua pesada espiritualidade e vontade de ajudar e dar esperança ao próximo)
tu, que nunca deixaste de me telefonar ("eu te quero muito bem, você sabe, né?") mesmo quando foste procurar ser feliz para mais longe;

     Tu, que saltavas em defesa dos alunos,
pela justiça e humanismo,
que eras um professor com P muito grande,
dedicado, competente, exímio nas matérias,
extraordinário na relação com os miúdos,
quantos defendemos juntos em Conselho de Turma!

Tu, que querias endireitar o mundo,
eras perfeccionista e zeloso,
tinhas a casa num brinco,
penduravas a roupa com as molas agrupadas por cores
e alinhavas sempre o cinzeiro para o mesmo lado
na esquadria do quadro da parede.
 

Tu, que lias o Pessoa como a bíblia,
o teu Álvaro de Campos,
o meu Caeiro,
tu que partilhavas poesia comigo
e piadas porcas
e disparates só nossos
e sarcasmos políticos e anti-institucionais.

Tu, que me desabafavas desamores, 
um homem tão extremamente apaixonado e romântico
quanto desapontado e traído.

Tu, que me desabafavas uma escola que te engolia
oprimia e tentava amordaçar o teu espírito livre e criativo.

Tanta, tanta falta me farás, João.
Vou procurar-te, recordar-te, buscar-te 
na nossa Balada do Louco do Ney,
no fundo de um copo de maduro,
na mitologia grega, que desfiavas ao pormenor,
num cigarro ao luar,
e num cantinho que há-de ser sempre teu e que agora arde no meu coração, amigo.

Tu, que amavas a natureza e a vida.
Biólogo de coração.
E partes?

Putaquipariu Jonny

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Saga mudanças - saber de experiência feito

 Imagem relacionadaAgora que estou a acabar de dizimar caixotes
e para aqueles que me foram seguindo nesta saga das mudanças, 
aqui vão algumas pérolas de conhecimento adquirido a braços, suor e lágrimas, 
saber de experiência feito, como dizia O Poeta:

1) a fita cola da loja dos Chineses não serve...
Tem a mesma largura, diâmetro e cor que a desejável, mas não tem a força nem a resistência necessária para as cargas. Ou seja, um gajo sela os caixotes, aquilo tem a cor castanhinha e tudo, mas depois aquela porcaria descola toda, não chega ao destino. A  única utilidade que lhe vejo é caçar moscas desprevenidas - e, mesmo assim têm de ser mesmo daquelas muito estúpidas ou muito grogues. É pendurar umas fitinhas do tecto e esperar que elas lá fiquem presas...

2) a capacidade dos caixotes é um engodo
lá porque aquilo diz que alberga 30 kilos, isso não quer dizer que a gente os vá conseguir sequer levantar do chão...

3) etiquetar ou escrever em caixotes NÃO é perda de tempo
Evita que se tenha de jogar ao ovo kinder na nova casa e que se ande a desembrulhar cinquenta pacotes até descobrir onde raio param as cuecas!Ou aquele urso de peluche sem o qual eles não dormem...

4) sacos do lixo de grande capacidade são imprescindíveis
são óptimos para atoalhados, edredões, almofadas, tapetes, cortinas e até roupa. São óptimos para o efeito alcochoamento da carga - isolam objectos mais frágeis e são fáceis de acomodar na mala do carro.

5) Quando, à chegada, tilinta... está partido!

6) O frango no churrasco é o melhor amigo dos casais em mudanças!

7) O papel higiénico também 
e convém existir - à saída e à chegada.

8) Na casa  de onde partimos parece tudo essencial. Na casa onde chegamos prescindir-se-ia de metade para não ter que desempacotar mais. Aliás, quem já fez mudanças sabe que alguns caixotes ficam provisoriamente para sempre na garagem!